João Pó Residence

Numa zona de urbanização e arquitecturas deploráveis, a casa defende-se, criando um pátio-jardim interno, definido pelas duas unidades residenciais - pais e filhos – e por uma galeria-varanda coberta e permeável à brisa. A arquitectura ganha expressão através do jogo de transparências, dos elementos de protecção solar e das longas perspectivas conseguidas pela erosão dos ângulos cegos e pelo sucessivo enquadramento conseguido com os elementos de protecção da privacidade. Volumes densos e pesados constrastam com a leveza dos elementos estruturais dando ao edifício o seu carácter simultaneamente forte e delicado.


In an area of deplorable urban design and architecture, the house shelters itself by turning into an internal courtyard-garden defined by the two residential units - parents and children - and by a covered gallery - verandah that lets the sea wind flow through. The architecture gains expression from the play of transparencies and sun protection devices and the long perspectives achieved by the erosion of blind angles and successive framing of the privacy screens. Heavy and dense volumes contrast with the light structural framing giving the building its delicate but strong character.

 

Residência João Pó

Maputo, Mozambique

1997 - 2005

1
2
3
4
5
6
7
8
9